segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Contra-maré

E sinto mesmo como se tudo, fosse apenas tempo em vão...


Sentir o insensível temor entre as palavras...
Já não doem as dúvidas que alimentei, cresci mais  do que cheguei a imaginar!
Recolhi no meu caminho pedras que transbordavam entre diamantes, eram apenas cristais de felicidade que escapuliram pelos dedos dos que não voltaram. Perdi anjos, ganhei pesadelos...Mascararam as sentenças feitas e esculpiram retratos de uma alma que nunca existiu e se existisse, não faria diferença. Pela porta de entrada, chegaram molduras que até satisfizeram a ausência, mas nunca foram capazes de nascer entre si. Repescou milhares de vidas e nelas soberanou-se  a auto-dinâmica de uma lua que só reflete o que lhe é necessário e nem por isso deixa de brilhar. Queria hoje mais do que nunca, fazer brotar no meio seio as dádivas de ser poeta, perante não só palavras e sim perante amores... Os ventos acalmam a tempestade que se fez nos laços silábicos do versar por entre alma, e poucos são os que refizeram conceitos. Reprime em mim a sede das descobertas, talvez me tornei algo que nem mesmo eu conheço e já por isso, me tornei forte. Tinha em mente o poder de ter mais do que me é cabido, por isso perdi preces e refiz orações, pela necessidade contínua de saber que por entre os meus anseios, passeia a veracidade de olhares e fragilidade de uma criança.
Fortes são os que não se descobrem, não conhecem seus limites... Pessoas felizes não concluem, elas eternizam! 

(Miquelinne Araujo)

2 comentários:

Sandrio cândido. disse...

A fragilidade, condição humana.
Lembro-me da primeira vez que eu olhei os olhos da Line na fotografia e perguntei se nem saber quem era ela, o que se esconde atrás destes olhos e ela me disse: Uma menina frágil, mas eu disse: na fragilidade é que nos descobrimos ou algo assim.
A cada dia em que converso com ela eu sinto a dor que ela sente, mas ei que esta dor um dia vai ser transmutada na experiencia de uma vida dedicada ao amor.
Beijos Line

Miquelinne Araujo disse...

Relembro a primeira vez que vi seu comentário: Quem se esconde nesses olhos?
A melhor resposta tu tens hoje... E fico grata por senti-lo sempre aqui, ao meu lado, ajudando a ser frágil e tornar-me forte...És especial meu Querido amigo!

Bjos