terça-feira, 2 de agosto de 2011

Máscaras


Invisível monstro que transfigura!

Secas estão as lágrimas onde outrora transbordavam o resumo irrevogável da teimosia,
que nem mesmo o tempo era dono ou onde nem mesmo rezar era oração.
Surgiu-me a indiferença de olhares e a sugestividade dos beijos.
Desamarrei os acordes ilesos da candura...Convidativo Pecado!
Perdurará antes o que lhe negam e no rosto apenas marcas mostram o "rubor",
presidiei "amores" e os encerro na prisão que é o calar.
Asas ilúdicas que permitem expôr em um céu o vagar delicado e sombrio que trouxe o pesar dos sonhos,
e seria o amor um pássaro ou um anjo?
Esperei horas a fio durante anos que não passam em veredas estreitas, deliciei a fantasia e sobrevivi a morte...
Hoje perdida em minhas lembranças, finalmente me acho.
Ainda não consigo retomar o "antes" sem pensar 
que mesmo perdido, sempre haverá
amor naquilo que escrevo.

Miquelinne Araujo

2 comentários:

Sandrio cândido. disse...

Fico com as lagrimas que agora depois de ler começa a aparecer em meus olhos, verdade.
Obrigado
beijos

Miquelinne Araujo disse...

Oun Meu Querido...
Lágrimas descrevem o que sentimos(Silencio-me)!
Bjos!