quinta-feira, 23 de junho de 2011

Fotografias




Chama inconstante de suspiros deixados ao iniciar...
Tortura de quem ama, refúgio de esquecer.


Guardadas na gaveta do passado, teimam em trazer à tona o que já está submerso...O que foi morto.


Sufocada a cada despedida.
Acompanho a solidão dos versos que ainda vão ser escrito,
pois me basta rever-te para brotar em meu peito a vontade de tradução.






(Por: Miquelinne Araújo)

2 comentários:

Sandrio cândido. disse...

Line,
sempre gostei do tema da fotografia, eles me machucam, assim como em você, Elas sempre nos prometem o que elas não podem oferecer mas ao mesmo tempo nos transporta para uma dimensão na qual sem elas nunca chegaríamos, Fotografia tem cheiro de saudades e gosto de lembrança, fotografia tem o áspero tato da perca mas o lindo esperar de que um dia poderá outra vez ver aquela pessoa- mentira- a pessoa fotografada pode ser encontrada, mas ela jamais será a mesma, será sempre outra. Viver basta.line sua solidão aqui me assusta, por conter um pouco da minha, mas também me fascina e me faz te amar mais, amar-te nestas palavras que tão bem são minhas palavras que eu jamais pude escrever. isto é poesia, afirmo sem medo.
beijos line querida
de seu
Sandrio Cândido

Miquelinne Araujo disse...

Querido, fotografias sempre revivem até o que se diz estar morto (guardam o passado e talvez por isso, sejam tão fascinantes)...Bjos de sua Line♥