quarta-feira, 2 de março de 2011

Dentro do coração perdido




Ouvindo o respirar lento e elevado, apenas percebo o quanto me engano ao achar que amo.
Vivendo temidamente cada amanhecer, insistente penso em voltar ao meu futuro passado, onde tantas coisas eu vi.
Buscando em cada vida, um novo sentido que me faça voltar a ser o que de costume era e essa necessidade de amar aumenta ...e os amores desaparecerem assim como o sol ao anoitecer!
Estranhos temores rondam meu pensar e me lembram das antigas juras, que não cumpri...E nem cumprirei!
Apenas sobrevivo ao antigo pesadelo de estar sozinha rodeada de multidões, e nela me encontro olhando frente a frente com "ele"...Mas me some rapidamente.Já não sou o que lhe completa, e talvez nunca tenha sido...
Tentativas errantes me fazem construir um presente passageiro, no qual não vivo, e sim, sobrevivo.
Sobrevivo aos meus medos e enfrento as alegrias...as poucas que restaram do tempo em que sorrir, era melhor!
Sobrevivendo eu sigo, cumpro cada caminho mal traçado, faço planos e invento cores que possam suprir essa solidão...
Me fortaleço na pequena esperança de em frente, redescobrir meu "eu" e voltar a sê-lo!
                                              (Por:Miquelinne Araujo)

Um comentário:

Vinícius Mattos disse...

Lindo Amor...

Vaii Longe.

"Se amas sofres, se não amas sofres, o que fazeres?"